Funerária que vela os mortos como se estivessem vivos - Ah ti peguei !!!

Funerária que vela os mortos como se estivessem vivos


Mortos boxeando ou em cima da moto. As fotos de uma funerária de Porto Rico viajam o mundo

“Os clientes nos pediram e tivemos de ser criativos”, afirma Damaris Marín, presidenta de um serviço funerário de Porto Rico especializada em um tipo de velório que mostra os mortos em poses que representam o que mais gostavam na vida. 

Embora venham fazendo isso desde 2009, as imagens de seu velório dão periodicamente a volta ao mundo, por isso quisemos remover as dúvidas do que bem poderia ser um capítulo da série Six Feet Under.




Veja o vídeo para entender melhor, depois continue a leitura, vale a pena ler até o fim...
Funerária que vela os mortos como se estivessem vivos

Do outro lado do telefone, em San Juan, Porto Rico, responde a gerente da Funerária Marín, um negócio familiar que emprega sete pessoas, e que esta semana voltou a ficar entre os tópicos em destaque nas sociais e nas manchetes da imprensa internacional.

O motivo: Fernando de Jesús Díaz Beato, um rapaz de 26 anos que, no momento da despedida, a família pediu que fosse colocado sentado em uma cadeira com as pernas cruzadas, um cigarro na mão e os olhos abertos sob óculos. Um detalhe, o dos olhos, que chamou especialmente a atenção. “A ideia dos olhos abertos”, explica Damaris a Verne, “foi fruto da criatividade de minha irmã, que considerou que ficava muito bem com o que a família queria expressar.

Quando viram tornar-se realidade, adoraram”. Segundo Damaris, é o primeiro morto a ser velado com essa expressão: “Somos pioneiros, mas nossa única intenção é agradar ao cliente. 

Começamos a fazer somente por isso, e assim continuamos.”Tudo começou há oito anos, quando Pedrito Pantojas, um garoto do bairro, expressou a vontade de ser embalsamado de um modo não tradicional. “Vivia perto da primeira de nossas funerárias”, lembra Damaris, “e tínhamos muito contato com ele. 

Sempre nos dizia que quando morresse gostaria de ser embalsamado de pé. A princípio pensamos que fosse uma piada e ríamos, não lhe dávamos importância. Mas, quando morreu, sua mãe veio nos ver e disse que essa era a vontade dele, sempre a havia expressado, e ela queria que a tornássemos realidade”.


Depois desse primeiro encargo chegaram outros, como o de Jomar Aguayo, um rapaz de 23 anos que em 2009 foi velado no bar de sua mãe jogando dominó; o de Christopher Rivera, um ex-boxeador cuja despedida foi em cima de um ringue, ou o de David Moraes, um amante de motores, velado sobre sua Honda. 

“Depois outras funerárias de Porto Rico começaram a imitar-nos”, recorda Damaris, “e me consta que também se exportou a outros países”. Um exemplo foi uma senhora de Nova Orleans que descansava no salão de sua casa tomando um copo de vinho.




A Funerária Martín reconhece que, apesar da notoriedade internacional dos velórios não tradicionais, eles ainda representam um percentual muito pequeno de seus serviços e é preciso levar em conta que não estão isentos de polêmica.



Em 2010, a Junta de Examinadores de Embalsamadores de Porto Rico fez uma denúncia contra a funerária e foi aberta uma investigação para determinar se descumpria o regulamento, mas, segundo afirma a dona, não encontraram irregularidades. “A lei não é desrespeitada de nenhum modo. 

Nem em questões de salubridade nem de outro tipo. As pessoas são veladas num máximo de três dias e depois – tal como determina a legislação de Porto Rico – enterradas dentro de um caixão”. Ela acrescenta que o embalsamento é tão natural que depois do velório não há nenhum tipo de problema para modificar suas posições”.

Esse tipo de embalsamento em posições pouco comuns costuma absorver de dois a três dias de trabalho. “Depende de cada encomenda e da complexidade que requeira. Há alguns, como o da moto, que são mais complicados, mas sempre tentamos cumprir sua vontade”, explica Damaris. “A senhora que foi velada em uma cadeira de balanço, por exemplo, pouco antes de falecer nos explicou ela mesma tudo o que queria. 




Organizou todos os detalhes para que sua despedida transcorresse tal como desejava”. A técnica utilizada?: “Não posso revelá-la. É nosso segredo e o que nos permite obter um resultado tão natural, mas a chave está no embalsamado”.


As tarifas da Funerária Marín, que conta atualmente com duas sedes em San Juan, começam em 2.000 dólares (7.300 reais): “A partir daí o preço varia em função do caixão escolhido”, especifica Damaris, “mas não cobramos um extra por eles”.


As pessoas que se opõem a esses velórios incomuns costumam destacar que para elas são mórbidos ou antinaturais. Damaris afirma que entende os críticos, mas não os leva a mal nem considera que seja uma má publicidade para seu negócio: “Vivemos em uma democracia. Cada um pode expressar-se livremente e escolher como quer a sua despedida”.

Créditos: El País